5.4.18

Não me julga, não preciso dizer...


E aqueles nós na garganta?
E os vários "se" na cabeça?
As vezes só no aconchego da nossa cama sentimos paz, é lá que a respiração consegue ser completa, no meio do nosso oceano de lágrimas, só o travesseiro para nos julgar.
Quantas vezes meu mundo já foi quebrado, será que ainda não aprendi? Toda vez dizemos que estamos prontos, e parece que quando o baque vem, a dor é cada vez maior, parece que onde estava cicatrizado, rasga mais ainda, por mais que o problema seja outro, e as soluções sejam as mais diversas... A dor se une com a antiga e todas te abracam. 

É ali que queremos ficar o resto da eternidade, sem justificativas, sem nenhum tipo de desculpas, sem máscaras. 
É ali na sua cama que você é você, com aquela sua velha roupinha de guerra de mentigo, a mais confortável possível.
Só queria me deitar e acordar quando tudo passasse. Quando a dor em meu peito e o nó na garganta não passassem de uma simples lembrança.

Quando longe... da minha cama eu estou, 
Só sono sei sentir... 
É meu coração me lembrando, que só ali, ele consegue me sentir.
Pobre coração... Se sente pequeno e inseguro...
Tem medo de a qualquer momento ser quebrado novamente.
E só ali na cama, que ele encontra paz. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

até próxima!
Jhu.